Sintra reforça defesa da floresta contra incêndios

A Câmara Municipal de Sintra aprovou, em reunião do executivo, diversos protocolos com entidades e Corporações de Bombeiros com o objetivo de garantir meios e recursos para a defesa da floresta e da Serra de Sintra contra incêndios para o ano de 2022.

O presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta afirmou que “estamos a fazer tudo aquilo que podemos para proteger a nossa serra dos incêndios florestais”, acrescentando que o município “não se demite das suas prioridades e obrigações”. "Estes protocolos agora aprovados são um exemplo de colaboração pluridisciplinar para defender um bem maior que á a nossa Serra de Sintra e salvaguardar património também da humanidade”, defende o autarca.

Foi aprovado o protocolo de colaboração com a Parques de Sintra-Monte da Lua (PMSL), a Planbelas e a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Belas para o funcionamento do Posto de Vigia de Belas, no âmbito do Sistema de Proteção Civil e da Defesa da Floresta contra incêndios.

Foi também aprovado um contrato interadministrativo com a Guarda Nacional Republicana e um protocolo de colaboração com o Município de Sintra e a PMSL para proteção civil e defesa da floresta contra incêndios.
Outro protocolo de colaboração aprovado foi entre o Município de Sintra e as Associações de Bombeiros Voluntários de Almoçageme, Colares, São Pedro de Sintra e Sintra, referente à criação e funcionamento de um sistema operacional de pré-posicionamento de meios e primeira intervenção na Serra de Sintra.

Por fim, para a criação e funcionamento de Sistema de Comando de Prevenção na Serra de Sintra, na época estival de 2022 no âmbito do Dispositivo Especial de Combate aos Incêndios Rurais (DECIR) na Serra de Sintra, será celebrado um protocolo de colaboração entre o Município, a PSML e as Associações de Bombeiros Voluntários de Almoçageme, Colares, São Pedro de Sintra e Sintra.

A Câmara de Sintra, a PSML e a Planbelas comprometem-se, assim, a garantir os meios destinados à comparticipação nos custos dos recursos humanos e materiais que integram o comando permanente de operações.